PALAVRA DO PÁROCO

28º Domingo do Tempo Comum

Esperar atento

A pergunta de Jesus é muito atual: Mas, quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a terra?  (Lc 18,8). Pergunta que incomoda.

Descrença. Hoje há muita descrença. Será que quando Deus vier, alguém estará acreditando? Muitos perdem a fé porque Deus não faz o que querem ou porque acontece um escândalo aqui e ali com religiosos, como se a fé fosse depositada em quem fez o escândalo e não em Deus. Que fé pequena! Se a fé foi depositada em alguém que decepcionou, não podia ser outro o desfecho. Estava no lugar errado. Fé se deposita em Deus e pronto. É necessário permanecer na esprança.  “Assim poderemos ter plena confiança, quando ele se manifestar, e não seremos vergonhosamente afastados dele, quando da sua vinda.” (1Jo 2,28). 

Fará justiça. Nas  pessoas se deposita um voto de confiança. Será que no mesmo quilate daquele voto que se deposita em Deus? Ele pode não fazer todos os milagres que queremos. Em sua onisciência ele sabe o que deve fazer ou não. 7Por acaso não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que estão clamando por ele dia e noite? Porventura tardará em socorrê-los?  (Lc 18,7). Apenas que ele atende do modo que entender melhor e no tempo que ele achar mais oportuno. E isso nem sempre compreendemos.

Mãos para o alto. Não, Deus não ignora as mãos suplicantes. Já não ignorava no tempo de Moisés. 11E, quando Moisés tinha a mão levantada, Israel vencia, mas logo que a abaixava, Amalec triunfava  (Ex 17,11). A grande questão é: Levanto, com frequência, minhas mãos para Deus?  Converso constantemente com ele, para que, se ele achar adequado, ajude-me a vencer minhas dificuldades? Não que ele deva tirar a cruz dos meus ombros. Não. Mas, para que me dê ombros fortes para carregá-la de modo perseverante como Jesus.  A oração ajuda na perseverança. A oração nos aproxima de Deus.

Caminho. Desde pequenos a maioria de nós foi ensinada sobre Deus. Ou não? Em geral, sim, apesar de hoje haver uma corrente de pais que dispensa a formação religiosa. Dizem que preferem deixar para a criança optar pela religião quando quiser ou quando crescer. Como se também deixassem a cirança ir ao médico ou à escola se quisessem!  Bem, deixemos pra lá. Parece que a maioria ainda não pensa assim.  A verdade é que,  “desde a infância conheces as Sagradas Escrituras e sabes que elas têm o condão de te proporcionar a sabedoria que conduz à salvação, pela fé em Jesus Cristo”  (2Tm 3,15). Não podemos alegar desconhecimento. Ou acha que podemos? O caminho para a vida feliz  foi mostrado pelos profetas, por Jesus, continua sendo mostrado pelas escrituras, pelos pregadores da Palavra. Tudo está diante dos olhos.

Apesar desta clareza, será que, “quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a terra? “ (Lc 18,8) Vai nos encontrar vigilantes? Se não encontrar, que desculpas daremos?

 

Por Pe.Valter Monteiro